As melhores formas de uma grande empresa se aproximar de startups

As melhores formas de uma grande empresa se aproximar de startups

O mercado corporativo está constantemente se aproximando do ecossistema de startups. Mas nem sempre da forma certa.

E isto acaba gerando ruídos na relação das grandes empresas com negócios inovadores.

Decidi então abrir algumas observações que tenho feito sobre estas ações das corporações e como fazer para dar certo.

Existem formas de todos serem beneficiados nesta relação. Eu acredito muito nisso. Tanto que sou co-fundador desta empresa que trabalha para ajudar grandes empresas a inovar, pensar e agir como startups.

Também acredito que existe boa vontade de ambas partes, corporações e startups, mas é preciso mais que isto para que as ações tenham sucesso. Então, logo depois de explicar os erros cometidos, também dou algumas alternativas que podem reverter o cenário.

Nem todo mundo comete ou cometeu os erros que vou abordar. Mas, o intuito aqui também é ajudar a não cair nestas armadilhas corporativas.

Erros e Soluções

As melhores formas de uma grande empresa se aproximar de startups - Erros e Soluções

Erro: Não conhecer o universo de startups de forma suficiente

Startups, startups, startups! Parece que todo mundo está falando delas, mas poucos estão estão as entendendo de fato.

O primeiro ponto é a falta de diferenciação em relação a maturidade da startup. Isto tem a ver com a Jornada do Empreendedor.

Não diferenciar se uma startup está em ideação ou em operação é bem comum. O que leva a programas desfocados e que não ajudam de fato a startup (tampouco a corporação).

Outro ponto que acontece muito é a falta de empatia com os problemas que o empreendedor enfrenta no dia a dia.

Um executivo, sem treinamento ou sem conhecer o universo das startups, geralmente vira um péssimo mentor.
E antes disso, vai tomar decisões ruins na hora de criar o programa de interação com startups.

Solução: é preciso se aproximar, conversar e conhecer os empreendedores de startups sob o ponto de vista deles. E também o que eles enxergam de valor na empresa ou em corporações do mesmo mercado.

Não podem ser criadas estratégias de “cima para baixo”, como se a startup tivesse recebendo um favor por participar do programa.

Pense de empresa para empresa. A diferença é que muitas startups são empresas iniciantes.

Erro: Não ter Community Manager que entenda o ecossistema

É quase um complemento do erro anterior.

A empresa que quer se aproximar das startups precisa ter um interlocutor público. Alguém que represente a empresa, seja acessível, tenha voz dentro da empresa e interaja diretamente com as startups. Resumindo: um Community Manager.

Já ouvi de vários empreendedores que existem muitas dificuldades para se aproximar de grandes empresas. Ninguém responde pelos canais oficiais, não se sabe a melhor forma de marcar uma reunião ou até mesmo fazer uma venda.

Se a empresa quer estes empreendedores como fornecedores ou mesmo quer ficar antenada no que eles criaram de inovador, é preciso ter um canal aberto.

Solução: designar alguém ou algum parceiro que sirva como um misto de filtro, ouvidoria e embaixador.

E depois deixar esta pessoa conhecida publicamente, permitindo que ela faça parcerias com espaços de inovação, aceleradoras, instituições de fomento…

E que principalmente esteja disponível para responder as mensagens e interagir.

E o que você acha? Quais outros erros existem e precisam ser endereçados? Comente abaixo e a gente pode criar uma série. Até a próxima!

Um convite para você:

Para você que leu até aqui, teremos um evento focado em corporações que queiram inovar e pessoas que estão ligados a áreas de inovação e novos negócios das empresas.

Será dia 06 de Agosto e teremos um post garantido falando apenas sobre a Jornada de Inovação Corporativa.

Garanta sua vaga em nosso evento!

Related Articles